X

Estará a criatividade de boa saúde?

Criatividade e Saúde. Serão dois mundos assim tão diferentes? Poderá a Saúde consultar a Criatividade para a promoção de práticas saudáveis?

Para despistar estas dúvidas, auscultei os sinais básicos de vida da criatividade na área da consciencialização da saúde. Iniciei o exame com corpos portugueses, contudo, o prognóstico revelou-se demasiado reservado (aceito e aprecio propostas que me mostrem o contrário). Por isso, analisemos o mundo, na esperança do contágio (desta vez, positivo) para terras lusitanas.

"Be in your mate’s corner" (2017)

Campanha com um propósito duplo: aumentar a visibilidade da saúde mental e quebrar os estereótipos de género. Numa criação da Ogilvy & Mather Group, somos relembrados da necessidade de apoiarmos os amigos (homens) na luta contra doenças mentais. A palavra-chave é luta(r), pois é esse o imaginário aludido, com um homem visivelmente deprimido a ser “treinado” pelos amigos para fazer face à doença. Trata-se, pois, de uma estratégia de sobreposição de mundos com objetivos comuns, numa aplicação clara de criatividade. Este projeto pode ser visto aqui.

“CancerTweets” (2013)

Usando o Twitter, criou-se o conceito do “cancro que persegue virtualmente” as suas vítimas. Alertando para a sua natureza silenciosamente progressiva, geraram-se sete contas - representantes dos sete tipos de cancro mais letais. Estas contas propagáram-se na rede analogamente à patologia: primeiro, silenciosamente; depois, através de manifestações subtis; e finalmente, com sintomas inequivocamente expressos. Quem detetava o teor das mensagens, era imediatamente 'unfollowed' pelo cancro; quem ignorava, recebia uma mensagem final. Iniciativa de Leo Burnett Bogota para a Liga Colombiana contra o Cancro, onde a criatividade serve-se da analogia em casos mais sensíveis. Este projeto pode ser visto aqui.

“Are you a health rock star?” (2016)

Se o teu corpo fosse uma banda, soaria bem? Esta é uma das premissas de um vídeo interativo do grupo de saúde privado do Reino Unido, Bupa. Respondendo a perguntas de saúde pessoal, a performance da banda altera-se, correspondendo aos resultados obtidos – a voz iguala os pulmões; a bateria, o coração; a guitarra, o fígado; e o baixo, os ossos. O vídeo interativo já não está disponível, mas o conceito criativo perdura e é, sem dúvida, uma forma de alertar através da diversão – outra mais-valia da criatividade. Este projeto pode ser visto aqui.

Foto de Aleksandar Pasaric do Pexels

Com o recurso a três exemplos breves e com temáticas ainda atuais, podemos observar que a Criatividade e a Saúde convergem num ponto fundamental: é importante estarmos atentos a nós próprios e ao que nos rodeia. As respostas estão todas lá.

Marta Alves
Coordenadora Executiva CreateLab

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximo ArtigoNeste texto, a doutoranda Giselle Costa reflete sobre o uso das plataformas digitais na comunicação interna das organizações. Ver mais